Visite o portal do Prêmio

31/03/2015

30 anos de democracia no Brasil e a cobertura da imprensa – Parte I

O especial “democracia, 30” da Folha de S.Paulo, publicado no dia 15 de março de 2015, relata a trajetória das mudanças e conquistas vivenciadas pelo país, decorrentes do fim da ditadura militar (1964-1985). Após 20 anos desse regime governamental, em 1984, iniciou-se a transição democrática no governo brasileiro, quando o primeiro presidente foi eleito por meio do processo de eleições indiretas. Nesse mesmo período, houve o movimento Diretas Já, que reuniu milhares de pessoas e era transmitido ao vivo pelos canais nacionais de televisão. As manifestações contribuíram para as mudanças no país.

Fonte: www.panoramatricolor.com/wp-content/uploads/2013/02/@1adiretasj%C3%A1.jpg

Na época, o governador do Estado de Minas Gerais, Tancredo Neves, lançou-se candidato pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro, de oposição ao Partido Democrático e Social, concorreu no Colégio Eleitoral, composto em sua maioria por deputados e senadores do partido oposto, e venceu. Porém, adoeceu antes de assumir a Presidência da República em 15 de março de 1985 e faleceu no mesmo ano.

Apesar do presidente eleito nunca ter assumido o cargo, essa conquista marcou o início de uma nova era no Brasil. Em meio a grande repercussão na imprensa, o então vice-presidente de Tancredo Neves, José Sarney, assumiu a presidência da república. E sob seu governo foi promulgada a Constituição de 1988, que formou um Estado Democrático de Direito e uma república presidencialista, confirmada em plebiscito de 21 de Abril de 1993.

Crédito: Agência Brasil

Crédito: Agência Brasil

Era o fim da ditadura militar no Brasil. Após quatro anos, ocorreram as primeiras eleições diretas que elegeram Fernando Collor de Mello, que, mesmo com sua campanha baseada na promessa de combate à corrupção, logo recebeu denúncias públicas de corrupção vindas de seu irmão, Pedro Collor de Mello.

O escândalo levou a instauração de uma CPI pelo Congresso Nacional cujas conclusões levaram ao pedido de afastamento do presidente, o chamado impeachment. Entretanto, Collor de Mello renunciou antes de ter seu impedimento aprovado pelo Congresso. Nessa época, a imprensa brasileira acompanhou e noticiou os fatos, o que segundo especialistas e historiadores, fez com que esta atuação marcasse de forma decisiva a ascensão e a derrocada de Fernando Collor na Presidência.

No ano em que a instauração da democracia completa 30 anos, diversas análises e reflexões estão retratadas pela imprensa brasileira. Essas coberturas contribuem para a disseminação de conhecimento e provocam novas discussões, ajudando a gerar ainda mais transformações na história do Brasil. Acompanhe os próximos posts aqui no blog do Prêmio CNH Industrial de Jornalismo Econômico.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>